Há quatro milhões de crianças refugiadas sem acesso a educação

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, há quatro milhões de crianças refugiadas sem acesso à educação. Só na Síria há mais de dois milhões de crianças que não vão à escola por causa da guerra.

Toda a notícia em http://visao.sapo.pt/iniciativas/visaosolidaria/2016-09-15-Ha-quatro-milhoes-de-criancas-refugiadas-sem-acesso-a-educacao

A Educação na Era Digital

Apresentação (esclarecedora) do Professor António Figueiredo (da Universidade de Coimbra) na conferência “A Educação na Era Digital: Análise de Boas Práticas” que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian a 21 de julho de 2016.

Seminário Internacional “Sala de Leituras do Futuro”

Terá lugar no dia 2 de julho de 2016, no auditório dos Paços do Concelho de Barcelos, o I Seminário Internacional “Sala de Leituras do Futuro”. Trata-se de uma iniciativa da Escola Básica e Secundária de Vila Cova, da Câmara Municipal de Barcelos e da Universidade do Minho.

Mais informações em http://salaleiturasfuturo.wix.com/2016

O futuro é hoje

A ASUS apresentou recentemente o Zenbo, embora esteja pensado especialmente para uso doméstico, poderá tornar-se numa ferramenta extraordinária em contextos de ensino-aprendizagem ou mesmo em contextos especiais.

Este robot é compatível com sistemas de domótica e, graças ao seu sistema de reconhecimento por voz, pode realizar videochamadas, facilitar o acesso a informação útil na Web assim como efectuar o streaming de conteúdos vídeo

Para já ainda, não é conhecida a data de lançamento para o público, mas sabe-se que será comercializado nos EUA a 599 dólares, cerca de 535€.

 

 

 

 

A Escola do Futuro

2000px-flag_of_finland-svg

O sistema educativo da Finlândia apresenta-se em Portugal, nos dias 14 e 15 de Março, em conferências organizadas em Torres Vedras e Lisboa.

Os eventos, organizados pela Embaixada da Finlândia em colaboração com o Ministério da Educação de Portugal, Câmara Municipal de Torres Vedras e com o apoio do Instituto Ibero-Americano da Finlândia, oferecem uma oportunidade única para ficar a conhecer o sistema educativo da Finlândia e sobretudo sobre a estrutura do novo currículo. O programa anti bullying de KiVa-koulu estará também presente.

Da Finlândia chegam o director do departamento da educação básica e pré-escolar do Conselho Nacional da Educação da Finlândia, Sr. Jorma Kauppinen, a directora da Escola Básica de Rajamäki, Sra. Marjaana Mäkinen e a representante do programa KiVa, a Sra. Christina Salmivalli.

14 de Março, Torres Vedras – Auditório do Edifício Paços do ConcelhoDas 14.30hrs., às 18.30hrs.

15 de Março, Lisboa – Escola Secundária de CamõesDas 14.30hrs., às 18.30hrs.

Entrada livre, porém será necessária uma inscrição prévia

Fonte: A Escola do Futuro – Embaixada da Finlândia, Lisboa : Actualidades

MOOC: A anunciada revolução dos cursos online está a acontecer?

Learning World

Quando surgiram, dizia-se que os MOOC – os cursos gratuitos online – iam revolucionar o ensino, tornando a aprendizagem acessível a toda a gente. Neste programa, reflete-se até que ponto as expetativas foram cumpridas com dois exemplos, um na China e outro no Reino Unido.

Veja a reportagem aqui MOOC: A anunciada revolução dos cursos online está a acontecer?

O que tem o basquetebol e a programação em comum?

1456153347890459Se não sabe a resposta à questão lançada com o título deste “rascunho”, tem duas formas de descobrir. Uma é perguntar a uma criança de Madagáscar que seja membro da Dream Camp, a outra forma é ler o texto que lhe deixámos aqui (texto em inglês).

“When kids play with Scratch they create animations, stories, and characters by snapping blocks together. Corbett and his team took this methodology and moved it onto the basketball court, getting the kids to give instructions to one another, envision they were blocks, and move along the court accordingly. The idea is to build a symbiotic learning relationship between the games that they conduct in the real and virtual worlds.”

No mundo da Educação já muitos se aperceberam a importância de ensinar programação aos mais novos e de os sensibilizar para a sua, eventual, importância no futuro. No entanto, como o podemos fazer com poucos recursos tecnológicos?

Parece que a Dream Camp encontrou uma forma de contornar esta dificuldade.